Com o povo Huni Kuin na floresta amazônica brasileira

 

 

Localizados no extremo noroeste do Brasil e no meio da floresta amazônica vivem os povos indígenas Huni Kuin [1]. Impulsionada pelo desejo de mergulhar em sua misteriosa espiritualidade e no mundo mágico da floresta tropical, embarco em uma aventura na selva. Lá, não apenas encontro a "Rainha da Floresta", mas também experimento um ritual batismal místico.

 

Está muito escuro. Minha lanterna ilumina o caminho molhado e escorregadio através da densa vegetação rasteira. Logo depois chego à casa simples de madeira, que será minha nova casa pelas próximas três semanas. Entro e olho em volta no feixe de luz da minha lanterna. Grande susto! Duas aranhas enormes. Elas são do tamanho de uma mão. Outros animais e insetos rastejantes são atraídos pela luz. Minha primeira noite aqui, sozinha no meio da selva. Só eu, minha lanterna e os pequenos companheiros de quarto. Sem eletricidade. Fico debaixo do meu mosquiteiro e tento adormecer. A floresta zumbe alto. Os sapos nos pântanos cantam. Ainda não se sente muito da mágica esperada da floresta. Na manhã seguinte, no café da manhã, falo sobre as aranhas gigantes. "Elas são venenosas!", sou avisada. "Deixe elas em paz. Então elas não vão prejudicá-la."

 

A chegada

O barco viaja pelo rio sinuoso em alta velocidade ao longo da densa floresta tropical. Os sons intensos da floresta se misturam com o vento que sopra vigorosamente no meu rosto. Estou no barco com Sia e duas de suas filhas. Sia é o cacique [2] da aldeia indígena onde ficarei por três semanas. Ele prometeu me iniciar na espiritualidade mística de seu povo. O jovem filho de Sia nos navega. Ele tem que ter cuidado para não encalharmos. O rio tem menos água em alguns lugares. De repente, o barco para e fica preso. Felizmente, nenhum de nós caiu na água. Foi um longo caminho para chegar até aqui. Primeiro viajei para Rio Branco [3] no estado do Acre [4] no Brasil. Então um pequeno avião me levou para Jordão [5], uma pequena comunidade no meio da floresta tropical brasileira. Não há estradas nesta região. Agora só esse passeio de barco de duas horas e o destino é alcançado.

 

Presente de boas vindas

Finalmente chegei à aldeia. Imediatamente sou iniciada no ritual de pintura corporal. Uma moradora me leva gentilmente pela mão. "Venha comigo, tenho um presente de boas vindas para você." O nome dela é Rosane. Rosane me pinta com uma cor preta no rosto e nos braços. "Qual é essa cor?", Pergunto interessada. "Essa cor é obtida de uma fruta chamada 'jenipapo' que cresce aqui na floresta tropical. A pintura serve como proteção energética para você ”, ela me explica. A cor ficará na minha pele por sete dias. Consiste em desenhos que o povo Huni Kuin recebe durante seus rituais espirituais. Até bebês muito pequenos passam por esse ritual de pintura corporal. Depois, Rosane me dá um par de brincos e uma pulseira - joias de seu artesanato típico feito de Miçanga [6].

 

Vida cotidiana na aldeia

A vida é simples. Sem internet. Até recentemente, também não havia eletricidade. Mas agora um sistema solar recém-instalado fornece eletricidade ao centro da aldeia por algumas horas durante a noite. Todos os dias desço ao rio com os aldeões. Lá lavamos a nós mesmos e nossas roupas. Há muito trabalho. Grandes chaleiras fumegantes de alumínio chiam sobre poços de fogo abertos. As mulheres preparam ansiosamente as refeições diárias, que consistem em muita carne e peixe fresco. Para mim, como vegetariana, há arroz, feijão, ovos, milho, mandioca e banana. É delicioso. Casas de madeira simples mas robustas alinham-se na aldeia. Seus telhados são feitos de palha ou ocasionalmente de alumínio. As motosserras gritam alto, porque novos malocas [7] estão sendo construídos. Para fazer isso, alguns homens e meninos cortam as palmeiras "urikuri" na floresta, cujas folhas eles usam para construir os telhados ou prepara-los para o artesanato das mulheres. Outros homens vão caçar ou pescar. Costumo assistir mulheres e meninas fazendo seus artesanatos tradicionais. Fico fascinada como elas habilmente fiam as minúsculas contas de miçanga, e assim, criam jóias mais coloridas com desenhos sagrados. Outras trançam cestos e esteiras de folhas de palmeira „urikuri“ ou tecem sacos e jaquetas de lã. Além de seu próprio uso, eles também vendem este artesanato para turistas.

Existem poucas pausas. Mulheres e meninas carregam caldeirões grandes com água na cabeça, desde as fontes até a aldeia, limpam as casas ou cuidam das crianças. Muitas das adolescentes já são mães. Além do trabalho, a hierarquia na aldeia é claramente organizada de acordo com o gênero. São os homens que se encarregam política e espiritualmente.

Como cacique, Sia vive com sua família no centro da aldeia. Aqui tem um lugar para todos os tipos de reuniões, uma escola, a cozinha e um prédio que serve como cantina. Cinco outras famílias vivem com ele na aldeia o tempo todo. Juntos, sentamos na ante-sala da casa dele. Ele me oferece um pouco de seu rapé [8], um remédio sagrado para eles, que consiste no tabaco moído da planta do tabaco e nas cinzas de uma árvore sagrada. Juntos tomamos o remédio. Me sinto bem e relaxada. "Amanhã vamos para a floresta", diz Sia. "É hora de você conhecer a 'Rainha da Floresta'."

 

Na floresta

Atravessamos o bosque quente e úmido por caminhos estreitos. A terra foi suavizada pela forte chuva. Tomo o cuidado de não entrar em uma das muitas teias de aranha que se alinham na beira do caminho. "Cuidado com essas formigas!" O Sia grita repentinamente: "Uma picada deles significa muita dor." Olho para um galho. Uma gigantesca formiga negra está caminhando por ela. O pajé [9] e sua esposa, que vieram conosco, colhem folhas das plantas para os remédiosdo povo. "A floresta é a nossa farmácia", ele diz. “Aqui encontramos plantas contra todo tipo de sofrimento, como queimaduras, queda de cabelo, problemas de gravidez e até ciúmes. Insetos e mosquitos zumbem ao nosso redor. Em particular os pequenos mosquitos quase invisíveis são muito persistentes. Eles rapidamente deixam muitas pequenas manchas vermelhas no corpo. Borboletas em uma cor azul brilhante deslizam através da floresta. Os pássaros cantam alto nas copas das árvores. Mas é difícil detectar animais maiores. "Eles ficam longe de nós humanos", explica o pajé. 

De repente Sia desaparece na floresta. Pouco tempo depois, ele volta com um punhado de botões de pimenta vermelha e uma fruta alongada. "Precisamos da pimenta vermelha fresca para um ritual sagrado que realizaremos com você", diz Sia. Eu escuto com interesse. Então ele abre a fruta e me oferece sua carne branca e fofa. Tem um gosto bom, muito doce. "O nome da fruta é Ingá", revela. "Como meu nome", eu respondo. Nós dois rimos. Ao mesmo tempo, no entanto, Sia se torna sério: “Tentamos ficar perto da natureza porque ela representa nosso Deus. Lutamos todos os dias para fortalecer nossa cultura, a fim de proteger a nós mesmos, à floresta e à natureza."

Finalmente, voltamos ao caminho da rainha da floresta. Ela é um pouco mais profunda na selva. Infelizmente, não chegamos muito longe. Uma árvore caída bloqueia o nosso caminho. Fico decepcionada. De repente, começa a soprar fortemente. Nós olhamos para o céu. Uma tempestade está se formando.

 

Uma noite com música

Felizmente, voltamos a tempo antes que a chuva comece. Toda a comunidade da aldeia se reúne em uma das malocas. Os violões são tocados, os tambores são batidos com força e canções poderosas de cura são cantadas, rituais diários através dos quais o povo Huni Kuin expressa sua espiritualidade e alegria de viver. As crianças brincam e correm soltas. Quando tiro minha câmera para capturar esse momento, estou imediatamente rodeado por elas. Ansiosamente eles querem ver todas as minhas fotos. Suas curiosidades e carinhos naturais me emocionam. Eu particularmente faço amizade com um garotinho. O nome dele é Tsaná. Ele está quieto e parece muito sensível. Ele me diz que tem dez anos. Buscando minha proximidade, ele se senta ao meu lado. Eu o seguro em meus braços. Ele agarra firmemente minha mão como se ele nunca quisesse me deixar ir.

 

„Festival de Legumes“ 

Os moradores inteiros estão vestidos com seus trajes tradicionais e pinturas corporais. Sia usa um impressionante cocar feito de longas penas brancas da harpia e vermelhas penas das araras. As folhas da palmeira Urikuri também adornam a parte superior do corpo e a testa dos homens. Com folhas de palmeira nas mãos, os homens seguram os ombros e formam uma linha. Liderados pelos pajés, eles se mudam para a praça central da aldeia, cantando e dançando. As mulheres e crianças estão esperando aqui. Juntos, eles formam um grande grupo, tomam as mãos um do outro e dançam em círculo. Pergunto curiosamente sobre o que é esse ritual. Me disseram que é chamado de "Festival de Legumes". É realizado para apoiar o cultivo e a colheita de vegetais consumidos na aldeia, como milho, inhame ou mandioca. Admiro o quão orgulhosamente eles mostram sua cultura.

 

Samaúma [10] - a "Rainha da Floresta"

Alguns dias depois. A árvore caída foi removida do caminho. É um céu azul brilhante. Sem chuva à vista. Sia, seu irmão Inbuse e eu partimos para a floresta. Quando entramos na selva mais densa, o clima muda. É opressivo. As energias são fortes. Depois de um tempo, Inbuse pára abruptamente e aponta para a frente: "Veja, há Samaúma, nossa 'Rainha da Floresta'." Olho através do mato e já posso ver seu poderoso tronco.

Nós a alcançamos logo depois. Eu olho para a majestosa árvore. Suas grossas raízes tubulares escavam veementemente o solo por vários metros. Alguns deles também andam em volta de seu tronco largo e o protegem adicionalmente. São necessárias pelo menos trinta pessoas para abranger completamente essa árvore. Eu olho para cima. Não sei exatamente a que altura, mas certamente é de 50 a 60 metros. O verde intenso da coroa se eleva no céu. Inbuse aponta para um suporte pendurado no tronco como uma corda. "Esta é a 'Escada dos Espíritos'. Você pode subir até a coroa”, explica ele. “Todos os espíritos da floresta estão reunidos lá em cima, os das plantas, animais e seres humanos. Você pode senti-los lá.” A árvore de Samaúma é sagrada para o povo Huni Kuin. Para eles, ela é um espírito que traz cura, uma conexão entre o céu e a terra.

Que beleza enorme, elegância e energia poderosa essa árvore irradia. Coloquei minha mão em seu tronco. Nesse momento, sinto toda a magia da floresta, suas energias curativas e sua força. Estou feliz por estar aqui. Mas, ao mesmo tempo, um sentimento triste se espalha dentro de mim. Imagens da destruição imparável desta floresta tropical me vêm à mente. Todos os dias, a cada minuto, as árvores são derrubadas na floresta tropical e morrem. Árvores como esta, a Samaúma, que extraem água das profundezas do solo e, portanto, não apenas se abastecem, mas também todo o reino vegetal circundante. Uma árvore com 500 ou talvez 1000 anos de idade que fornece chuva e, portanto, traz coisas boas para o planeta e a humanidade. De repente, Sia me acorda dos meus pensamentos: “É hora de partir. Mas voltaremos amanhã."

 

„Hãpaya, o Ritual de Batismo“  

A manhã seguinte. Eu recebo uma pintura de rosto com a cor vermelha do fruto da floresta tropical "urukum". "Isto está em preparação para um 'ritual de batismo' que será realizado com você hoje. Na nossa língua, é chamado 'Hãpaya' e é muito sagrado para nós”, explica Sia. Aprendo também que seguirá uma dieta especial de três dias, na qual sal, açúcar, carne e peixe são estritamente proibidos.

Um pouco depois, vamos para a Samaúma em um pequeno grupo. Sia usa seu cocar de penas da harpia e de papagaio de arara e as mulheres e crianças que nos acompanham usam testeiras coloridas com os desenhos típicos de seu povo. Também amarrei uma testeira. Na Samaúma, Sia tira a pimenta vermelha. Um remédio muito sagrado para o seu povo. Ele coloca a pimenta no chão. Com uma mão, ele começa a moer com uma vara de madeira. Ele fala uma oração em sua língua. Por outro lado, ele segura um pássaro morto Japinim [11]. Um pássaro sagrado que imita o canto de todos os outros pássaros.

Sento-me em uma das raízes grossas de Samaúma. Sia coloca uma tigela pequena na frente dos meus pés e me diz o significado do ritual. “Na lenda do Huni Kuin, o iniciado que realiza esse ritual recebe uma iniciação e, dessa forma, tem o poder de se tornar um curador. Ele deve aprender a cantar através do espírito da pimenta sagrada e do pássaro sagrado Japinim e receber canções de cura em suas visões." Tenho que abrir a boca e estender a língua. Sia molha o bico do pássaro sagrado com a pimenta moída e o esfrega na minha língua por alguns minutos, acompanhado por outra oração. "Agora a energia do remédio da pimenta tem que agir em sua língua por 40 minutos", diz ele depois de terminar.

A saliva escorre da minha língua e é pega pela tigela pequena. A pimenta queima, mas eu me recomponho para não engolir ou cuspir. Eu realmente quero passar pelo ritual. Quando os 40 minutos terminam, cuspo a saliva acumulada da boca e assoo o nariz.

Depois o ritual terminou oficialmente, vou para minha casa. É excepcionalmente quente, definitivamente acima de 30 graus. O sol está brilhando incansavelmente na aldeia. A energia do ritual e da pimenta é muito intensa. Qualquer efeito parece ser potencializado aqui no meio da floresta. Estou sozinha em casa e posso deixar minhas emoções correrem livremente. De repente, sinto vontade de cantar. Melodias diferentes passam pela minha cabeça e eu realmente começo a cantar. Como no delírio, tenho que rir e chorar ao mesmo tempo.

Então, de repente, sinto muito calor. Olho no espelho do meu bolso. Um rosto vermelho de fogo me encara. Assim que o sol se põe, saio de casa. Um morador me esfrega com água fria. Agora estou esfriando um pouco. Pergunto a Sia se esse calor é uma reação normal ao ritual. "É uma reação muito forte", ele responde para mim. “Mas o poder do ritual é mais intenso no primeiro dia. No geral, durará três dias."

 

A despedida

O ritual de batismo e os três dias da dieta terminaram. Sinto-me limpo e fortalecido internamente. Resolvo cantar mais e aprender a tocar violão no futuro. As três semanas da minha estadia com o povo Huni Kuin também terminaram. Uma última vez, vou à floresta para Samaúma antes de me despeço de Sia, Inbuse e todos os outros moradores da aldeia. No barco, estou esperando a partida. Tsaná está na beira do rio, procurando por mim. Eu aceno para ele. Então partimos. Tsaná corre ao longo da margem. Eu aceno para ele novamente. Finalmente nos perdemos de vista.

[1] O povo Huni Kuin é um dos povos indígenas mais presentes no Brasil. Eles moram na fronteira com o Peru, nas regiões mais baixas do rio Jordão, no Acre, Brasil. O termo "Huni Kuin" (Kaxinawá) significa algo como "homens verdadeiros" ou "gente com costumes conhecidos". Informações mais detalhadas sobre o povo Huni Kuin podem ser encontradas no seguinte link: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Huni_Kuin_(Kaxinawá)

[2] O líder político de uma comunidade indígena é chamado de cacique.

[3] Rio Branco: Capital do estado brasileiro do Acre. A distância em linha reta até o Rio de Janeiro é de 2.987 km.

[4] Acre: Um estado no extremo noroeste do Brasil. A vegetação Acres é quase exclusivamente formada pela floresta amazônica e sua população é composta por povos indígenas e colonos do nordeste e sul do Brasil. Ver: https://www.estadosecapitaisdobrasil.com/estado/acre/

[5] Jordão: Uma pequena comunidade no Estado do Acre, no Brasil, que é cortada pelos rios Jordão e Tarauacá. Mais de dois mil povos indígenas do grupo étnico Huni-Kuin vivem aqui. O município, localizado diretamente na floresta amazônica, tem um total de 7.000 habitantes e fica a cerca de 640 quilômetros quando o corvo voa da capital regional, Rio Branco. Sem acesso terrestre, Jordão pode ser alcançado em uma viagem de barco de 3 dias ou em um voo de 2,5 horas de táxi aéreo. Ver: https://www.agencia.ac.gov.br/jordo-uma-pequena-cidade-amaznica/

[6] Miçanga: Pequenos pedaços de vidro, pedra ou material similar arredondados e perfurados para que possam ser rosqueados com outros.

[7] Maloca é o nome pelo qual é chamada a casa tradicional dos povos indígenas.

[8] O rapé consiste em tabaco Mapacho seco e finamente moído, além de partes ou cinzas de várias plantas medicinais ou árvores sagradas, como o "Mulateiro". É soprado no nariz com a ajuda de um tubo (tepi). O objetivo é experimentar uma limpeza física e energética.

[9] Pajé é o líder espiritual de uma comunidade indígena.

[10] A árvore Samaúma é nativa do México, América Central, Caribe, norte da América do Sul e África Ocidental. A palavra samaúma é usada para descrever as fibras de algodão obtidas a partir de seus frutos. Essa árvore pode extrair água das profundezas do solo e não apenas se abastecer, mas também compartilhá-la com outras espécies, pois suas raízes conhecidas como Sapopemba estouram em determinadas épocas do ano e irrigam todo o reino vegetal circundante. É, portanto, também chamada de "árvore da vida". Veja: https://www.iguiecologia.com/samauma/https://pt.wikipedia.org/wiki/Mafumeira

[11] O pássaro Japinim é um pássaro sagrado para o povo Huni Kuin, que imita o canto de todos os outros pássaros.

fullsizeoutput_68a.jpeg
IMG_2291.JPG