Reportagem da Viagem

No meu caminho para o povo indígena Pataxó na

Bahia, Brasil 

Porto Seguro, Caraíva, Taperauan, Coroa Vermelha

 

 

Faz quase três anos desde que deixei a Alemanha e fui para o Brasil. Durante esse período, descobri meu interesse pela cultura dos povos indígenas deste grande país e desejo aprender mais sobre essas pessoas e conhecê-las pessoalmente. Na minha opinião, estamos enfrentando a ameaça das mudanças climáticas e da perda de biodiversidade, esses povos são mais importantes para o planeta do que nunca.

Pataxó - A água da chuva batendo na terra, nas pedras, e indo embora para o rio e o mar"

Agora, finalmente, estou a caminho de atender ao meu desejo e estou sentada no aeroporto de Belo Horizonte, no Brasil. Estou aguardando o embarque do meu voo para Porto Seguro, uma cidade na costa do Antlantic, no sul do estado da Bahia, no Brasil, de onde deve continuar para Caraíva, uma pequena cidade costeira a cerca de 70 km de Porto Seguro. Na Bahia, vivem os indígenas de Pataxó. Pataxó é a auto-denominação desse povo e significa "A água da chuva batendo na terra, nas pedras, e indo embora para o rio e o mar". Espero encontrá-los para uma conversa.

 

No caminho de Porto Seguro para Caraíva - Ao longo da Mata Atlântica (ou o que resta dela)

Chegei em Porto Seguro e chove muito. Já consigo ver e cheirar o mar. No final da tarde, saí para pegar o ônibus para Caraiva. É necessário atravessar o rio Buranhém para o outro lado do banco até Arraial d'Ajuda, de onde os ônibus partem para Caraíva. Quando vejo o poderoso rio Buranhém e olho para o outro lado da margem, a antecipação da jornada cresce em mim.

A viagem de ônibus para Caraíva dura quase três horas e, na maioria das vezes, leva por uma estrada de terra que não é asfaltada. Devido à forte chuva dos últimos dias, a estrada foi parcialmente suavizada e grandes poças se formaram. Algumas vezes durante a viagem, o ônibus, que já tem alguns anos de duração, precisa voltar e tentar de novo para superar esses obstáculos. Eu secretamente espero que não fiquemos presos.

Direita e esquerda enquanto dirige, posso ver a Mata Atlântica. Mas quanto mais nos aproximamos do nosso destino, mais percebo que não resta muito desta bela floresta com suas árvores altas e orgulhosas. Passamos por grandes fazendas, o gado pasta em áreas de estepe. Eu vejo muitas plantações de monocultura. Algumas das antigas áreas florestais parecem ter queimado recentemente. Você ainda pode ver os restos carbonizados e tocos das árvores queimadas. Ocasionalmente, uma árvore sobrevive e se projeta sozinha na grande área vazia. Percebo como os pássaros voam sobre os campos e procuram árvores nas quais possam se instalar. 

Ver essa destruição de uma das florestas mais biodiversas e ameaçadas do planeta me deixa muito triste. Às vezes, tenho que lutar contra as lágrimas e minha expectativa de Caraiva está um pouco nublada. Pergunto ao meu vizinho pela destruição da floresta e ele me diz que, durante muitos anos, mais e mais terras foram perdidas para os grandes agricultores e suas fazendas. Embora seja triste, essa é a vida cotidiana no Brasil. Meu humor está baixo. Talvez eu fosse ingênua, mas estava muito empolgada com a natureza e não estava preparada para a visão.

Caraíva

Após uma pequena parada e um lanche, chegamos ao rio Caraíva. Pequenos barcos de pesca já estão esperando para nos levar para o outro lado da costa. Após esta última etapa, chegamos ao nosso destino. Estamos na cidade costeira de Caraíva. Estou aliviada e um pouco cansada. Vou da carruagem até a pensão. Embora já esteja escuro, gostaria de cumprimentar o mar. Ainda não tenho uma visão do mar, mas ouço o intenso farfalhar soprado pelo vento que me acompanha a dormir naquela primeira noite.      

Na manhã seguinte, percebo que toda a comunidade artística é afetada por uma queda de energia eléctrica. Isso é normal, as pessoas me falam, porque, afinal, a energia chegou a Caraíva em 2007 e as linhas ainda são às vezes um pouco instáveis. Uma boa oportunidade para relaxar, eu acho. Por volta das 22 horas, a luz finalmente volta pontualmente para iniciar a colorida vida noturna de Caraívas.

Caraíva é um lugar bonito e animado, com uma vida noturna animada. As pessoas se sentam em bares nas margens do rio e os restaurantes elegantes e caros, as pequenas boutiques alinham os caminhos arenosos. Até os povos indígenas da vila construíram seus estandes com artesanato. As noites estão vivas. A música dos Forrós e o público barulhento dessa dança típica brasileira, que tem suas raízes no nordeste do país, pode ser ouvida até as primeiras horas da manhã. A natureza é muito bonita. As praias são amplas. É pitoresco ver quando o rio Caraíva se funde com o Oceano Atlântico.

No período em que estou em Caraiva, passo muito tempo na praia e no mar. Está chovendo muito. A praia mais próxima está quase deserta e lá posso ficar sozinha com o mar. Gosto disso especialmente à noite, quando saio do quarto da pensão para fugir da agitação e da música do Forró.

Enquanto vejo o mar, observo como as ondas agitadas pelo vento atingem a costa e a água é sugada de volta da lua. Um espetáculo mágico que se repete sem parar. Quando as nuvens recuam um pouco, a lua brilha intensamente no mar e deixa cair uma luz suave e branca na água. Eu enfio meus dedos e mãos na areia úmida, sinto o vento e a brisa molhada do mar. Eu absorvo a energia do mar em mim. Estou feliz neste momento.

No entanto, decido deixar Caraíva após um curto período de tempo. Eu percebo que o lugar não é o que eu procurei. É um período de férias no Brasil e o ambiente do lugar me lembra um pouco os lugares caros e modernos, pois eles estão em todo o mundo e onde as pessoas chiques, ricas e amantes das metrópoles se encontram nas férias. Ouvi dizer dos habitantes locais que essa mudança e crescente gentrificação provavelmente ocorreu nos últimos dois anos e Caraíva perdeu, assim, parte de sua antiga simplicidade e relativa virgindade.

Taperauan

Eu volto para Porto Seguro. Lá encontrei um quarto em Taperauan, pertinho da praia que fica a dez quilômetros do centro da cidade. Embora eu me arrependa profundamente de não ter realmente entrado em contato próximo com os povos indígenas locais em Caraíva, espero que a oportunidade continue a surgir.

Em Taperauan, verifica-se que o quarto é realmente agradável e tranquilo. É uma calma que raramente sinto. Eu posso ouvir o triturar e gemer das árvores de bambu perto da minha janela enquanto elas se movem para frente e para trás no vento. A praia, que posso alcançar a pé do meu alojamento, é uma praia típica da cidade, com muitas pessoas e eventos. Mas meus dois colegas de quarto me falam de Coroa Vermelha, uma praia vizinha e uma vila indígena. Meu interesse é despertado.

Conhecendo o povo Pataxó em Coroa Vermelha

No dia seguinte, pego o ônibus para a baía de Coroa Vermelha, que deve seu nome ao fato de ter um grande recife de coral laranja. A viagem de vinte minutos na estrada principal leva ao longo do mar. O Oceano Atlântico brilha esverdeado ao sol. Isoladas estão pessoas na água para brincando com as pequenas ondas. O forte desejo vem sobre mim para pular neste mar.

Após cerca de 20 minutos, o ônibus pára em Coroa Vermelha. Desço do ônibus e imediatamente me apaixono por esse lugar. Da rua principal, onde pequenos quiosques e padarias vendem iguarias locais da culinária baiana, um amplo caminho leva à praça principal do lugar e ao mar. Este caminho é ladeado por pequenas lojas dos moradores da vila indígena do povo Pataxó, que oferecem e vendem artesanato. O artesanato é de alta qualidade e consiste em tudo o que a natureza tem a oferecer, como madeira, sementes, palha, trepadeiras, argila, penas, bambu e casca de coco. Alguns dos produtos artesanais destinam-se ao uso diário, como panelas, bolsas, cestas e similares. Além disso, existem flechas e outros utensílios para a caça, touca feita com penas reais, pulseiras, brincos e colares. Alguns ofícios também oferecem proteção espiritual, como certas colares. Aprendo que o artesanato é uma maneira dos índios Pataxós ganharem a vida e manter sua cultura viva.

Um pequeno caminho longe deste caminho principal leva à praça central da vila indígena. Esta praça central, onde os moradores se reúnem para dançar, é cercada por murais que retratam animais nativos sagrados, como a onça-pintada e o pássaro tucano. Aqui me perco nas pequenas lojas e barracas dos moradores, admiro o artesanato e compro algumas lembranças e presentes.

Depois de um tempo chego à praça principal do lugar Coroa Vermelha, no meio da qual fica uma grande cruz. Essa cruz marca esse local e praia históricos e lembra que, de acordo com a historiografia de 22 de abril de 1500, o Brasil foi oficialmente descoberto pela frota de europeus e, em 26 de abril de 1500, foi realizada a primeira missa do Brasil.

Atravesso a praça larga. Dizem que atrás da cruz, logo antes da praia, encontro o Pajé, o líder espiritual da comunidade que vende ervas e remédios. Entro em uma loja que liga a praça à praia, onde encontro o filho do pajé da comunidade. Começamos a  conversar em português. O nome dele é Ubiranan. Compro um rapé dele e depois vou para a praia.

Já está escuro e os pequenos cafés de praia estão começando a fechar. Está vazio. Eu gosto da praia. A água é clara e calma e lembra uma piscina do mar. Vou para o mar e deixo as ondas rasas caírem em volta dos meus pés. Coleciono algumas pedras e conchas e depois me sento na areia. Um pouco mais longe, você pode ver pequenos pescadores flutuando no mar. Vejo o mar dividido por uma duna de areia e vejo pessoas caminhando ao longo da duna ao pôr do sol. Gosto de sentar à beira-mar e sentir o vento. É tarde demais para nadar. Deixo para amanhã.

Voltando para Coroa Vermelha - Entrevista com Ubiranan Pataxó

Um dia depois, estou voltando a Coroa Vermelha dessa vez com a intenção de pedir uma entrevista a Ubiranan. Eu chego na vila e caminho pelo caminho principal, passando pelas lojas dos habitantes locais. Alguns me reconhecem de ontem e nos cumprimentamos. Atrás da grande cruz da praça principal do local, chego a Ubiranan em sua loja. Pergunto se posso entrevistá-lo e ele concorda. Estou muito feliz com isso. Sentamos e conversamos por cerca de meia hora. Ubiranan me fala sobre a importância da floresta para seu povo e para a humanidade como um todo e sobre seu povo encontrando seu remédio na floresta. Ele me fala sobre o Deus dela, uma força sobrenatural que criou tudo e está lá para todos e como é importante a conexão com esse Deus e esse poder para ele e seu povo. Ele fala da missão dos povos indígenas de proteger a natureza e a floresta da destruição e sua crença em um mundo sem violência, morte e sofrimento. Ele continua a me explicar a importância do líder espiritual da aldeia, o pajé, que tem o dom de se conectar com o mundo espiritual e, assim, curar a si mesmo e aos outros.

Após nossa conversa, agradeço e digo adeus a Ubinaran. No momento em que nos despedimos, ele também aproveita a oportunidade para expressar sua gratidão pelo apoio que seu povo e a floresta tropical no Brasil recebem dos europeus. Eu saio para o mar. Hoje vou na água para nadar. O sol já está começando a se pôr no horizonte. A água é calma e agradavelmente fresca. É um grande prazer sentir a água do mar na minha pele. Percebo novamente o quanto amo o mar. Quando escurece e os pequenos restaurantes na praia começam a fechar, eu volto para o meu alojamento em Taperauan. Começo a ficar um pouco triste, porque amanhã já é o dia do meu retorno a Belo Horizonte. Espero voltar aqui um dia.

Meu último dia de viagem chegou. Quando é hora de sair, vou para as árvores de bambu e digo adeus a elas. Estou impressionado com a resistência e firmeza de seus troncos, e sua cor verde poderosa e brilhante me fascina. Gostei muito do silêncio e da proximidade com a natureza.

Viajando de volta para casa

Para meu retorno a Belo Horizonte, tenho uma carona. No Brasil, também existe a possibilidade de organizar caronas via Internet. A viagem levará cerca de 15 horas e espero que tudo dê certo. As estradas no Brasil são relativamente inseguras e perigosas. Existem muitos acidentes todos os dias. Mas já cerca de 20 quilômetros após o nosso início em Porto Seguro, temos um colapso. Algo está errado com o pneu. Estou muito insegura e decido voltar para Porto Seguro. Conseguimos parar um carro na rua e uma pessoa legal me leva de volta à cidade. Então, volto para minha acomodação em Taperauan para mais uma noite. Não consegue passagem de ônibus nem carona. Sem essas alternativas, reserve um voo.

De volta a Belo Horizonte, estou muito feliz com minha jornada turbulenta. Eu me sinto mudado. O contato com o mar deixou uma forte energia em mim. Além disso, fico feliz por conhecer Ubiranan e os moradores da vila de Pataxó de Coroa Vermelha.

fullsizeoutput_8f6.jpeg