Samakai - Dieta sagrada com o povo Yawanawá

Eu mordo um pedaço de bolo de chocolate e tomo um gole de suco de abacaxi espremido na hora, que acabei de comprar em um posto de gasolina da rodovia. A partir de amanhã, penso comigo mesma, não serei mais capaz de fazer isso. Estou na estrada que vai de Belo Horizonte [1] a Extrema, uma pequena cidade no sul do estado de Minas Gerais. Lá no parque nacional "Parque do Cabritos" no meio de uma reserva de mata atlântica irei participar de um grupo de dieta espiritual (Samakai), que será liderado pelos indígenas Yawanawá [2]. Está muito quente. Sem nuvens no céu. O sol queima impiedosamente no carro. Minha garrafa de água está sempre ao meu alcance. Mesmo a água pura não estará mais disponível a partir de amanhã. Mesmo assim, estou determinada a enfrentar esse desafio. Eu coloco de lado rigorosamente as incertezas emergentes.

Samakai

Samakai é uma prática de aprofundamento espiritual feita pelo povo Yawanawá. Traduzida como “dieta” é um período em que a pessoa se dedica para o estudo e o fortalecimento de seu espírito focando no propósito daquilo que deseja realizar em sua vida.

            Existem diferentes tipos de dietas na tradição do povo Yawanawá, que são realizadas com diferentes espiritos medicinais, por exemplo com caiçuma ("mamã"), jenipapo ("nane") ou pimenta vermelha ("yutxi"), dependendo da finalidade e das práticas já realizadas pela respectiva pessoa. [3] Para o nosso grupo será a primeira dieta deste tipo e portanto realizada com caiçuma ("mamã"), uma bebida feito de mandioca [4]. No total, a dieta durará quatro semanas, duas semanas juntas no grupo e duas semanas sozinho em casa.

            Depois de oito horas dirigindo na estrada, finalmente chego a Extrema. Lá já sou esperada e montamos minha barraca. Para isso, procurei um lugar tranquilo e isolado na floresta. Está ficando tarde. Depois de um pequeno jantar, deito-me em minha pequena barraca  e adormeço rapidamente.

            Na manhã seguinte, após o café da manhã, a grande cerimônia de abertura acontece. Um total de 22 pessoas se reunem neste grupo de dieta. 21 mulheres e um homem. Os participantes vêm de todo o Brasil, dois deles até da Arábia Saudita e da Ucrânia. Os Yawanawás vieram para este propósito especial diretamente de sua aldeia na floresta amazônica, que fica a mais de 3.000 quilômetros de distância.

            Estou ansiosa e feliz em conhecer a xamã que conduzirá esta dieta. Ela é uma das primeiras mulheres que, na tradição de seu povo Yawanawá, passou pelo rigoroso treinamento para se tornar uma líder espiritual, uma estrita dieta anual sozinha na floresta tropical que antes só era permitida aos homens. Além disso, este é o primeiro grupo de dieta aberto para pessoas não indígenas e dirigido por ela. Uma grande oportunidade de aprender e estudar a espiritualidade do povo Yawanawá.

“Seya” - Reza de abertura para a espiritualidade

Nosso grupo está sentado em uma grande roda no salão do camping. Somos cumprimentados. A xamã chegou com seus cinco filhos. Há música.

            O líder do grupo explica a dieta e sua abertura na tradição do povo Yawanawá: “A xamã fará uma reza de abertura para cada um de vocês (“seya”). Ela dirá esta reza em um pote de barro chamado "shumu". No “shumu” tem a medicina caiçuma (“mamã”), com a qual você vai fazer essa dieta. Quando você - como diz a lenda dos Yawanawá - bebe a medicina santificada por ela, uma semente é plantada em seu corpo e mente. Sua tarefa é deixar a planta que emerge dessa semente crescer dentro de você durante o período de Samakei."      

            Hoje, no primeiro dia, a dieta será aberta para três pessoas. Existe um sorteio para este fim. Escrevo meu nome em um pequeno pedaço de papel e coloco em um pote com as anotações dos outros participantes. Mal posso esperar para começar. O líder do grupo puxa o primeiro pedaço de papel. "Bárbara", ela chama. Depois o segundo: "Carina". Sinto-me desapontada. De repente, ouço meu nome. “Inga”, ela chama e olha para mim. Fui sorteada para hoje como terceiro! Sinto alívio e alegria.          

            A hora chegou. É a minha vez. A xamã e eu nos sentamos frente a frente em sua pequena barraca. O pote de barro ("shumu") com a medicina fica entre nós. “Para o sucesso dessa dieta é importante que você tenha objetivos claros, algo que queira aprender, desenvolver ou curar”, dz a xamã. “Quais são seus objetivos?” Ela pergunta. “Quero fortalecer minha mente e meu corpo. Quero desenvolver mais confiança em mim mesma e fazer algo pela minha saúde ”, respondo. A xamã acena com a cabeça. "Agora vou me conectar com meus ancestrais e incluir suas palavras em minha reza", ela me diz. Ela abaixa a cabeça logo acima do pote de barro ("shumu") e começa a rezar. Eu fecho meus olhos e me concentro em meus objetivos. Após cerca de 20 minutos, a xamã levanta a cabeça e termina sua reza. Ela me entrega o pote de barro. “Aqui, toma um gole do caiçuma. É importante que você sempre tenha seus objetivos claros em mente durante a dieta."   

            Agradeço a xamã. "Por favor, não coma nem beba mais nada por hoje", ela me diz antes de eu voltar para minha barraca. É aqui que me escondo pelo resto do dia e me concentro em começar a dieta.

A dieta

Em geral, regras físicas e dietéticas rígidas se aplicam durante a dieta (samakai). Beber água pura é proibido. Nossa bebida durante a dieta é a caiçuma. Açúcar, ou seja, todos os alimentos com sabor doce, incluindo frutas doces, são proibidos no menu. Além disso, nem sal deve ser usado, nenhuma carne vermelha deve ser comida e sexo deve ser evitado.

            Quando acordo na manhã seguinte à cerimônia de abertura, meu estômago ronca um pouco, mas, felizmente, no geral, não sinto muita fome. A caiçuma fresca já está à espera na cozinha do camping. No primeiro dia de dieta não se deve comer nada, só beber caiçuma. Apesar das dúvidas iniciais, este primeiro dia foi surpreendentemente bom. O caiçuma, uma bebida baseada de mandioca para o qual a mandioca cozida é processada no liquificador até ser potável, tem um efeito cheio por si só.

            A partir do segundo dia e do restante da primeira semana da dieta, tem muito milho, banana verde, batata, mandioca e muita caiçuma. Com o início da segunda semana dietética, nosso cardápio é ampliado para incluir arroz, feijão, nozes, ovos e saladas. Nossa bebida principal continua sendo a caiçuma, mas se você quiser você pode usar um pouco de chás amargos como o chá de camomila ou de hibisco ou sucos como o suco de acerola ou açaí.

            Durante a dieta, passo muito tempo na natureza. O parque está localizado em uma reserva de Mata Atlântica, uma das florestas mais ricas em espécies e ao mesmo tempo mais ameaçadas do planeta [5]. Aqui tenho muito tempo para pensar e observar as grandes borboletas azuis dançarem ao vento e os colibris coloridos polinizarem as flores das plantas. As maritacas cantam alegremente e de vez em quando ouço os lagartos serpenteando pelos arbustos. Tenho que ficar atento às aranhas, porque é aqui que vive uma das aranhas mais venenosas do mundo, a aranha armadeira.

            O tempo que passamos por conta própria e para nos concentrarmos em nossos objetivos são complementados quase que diariamente com rituais dos sagrados fitoterápicos ayahuasca e rapé [6]. Esses rituais duram todo o dia ou toda a noite e são acompanhados por música e canto. Eles devem aprofundar nossa espiritualidade e nos apoiar para alcançar nossos objetivos. Na preparação para esses rituais, o povo Yawanawá se pinta com as cores vermelha e preta dos frutos da floresta jenipapo (preto) e urukum (vermelho) e nós, participantes do grupo de dieta, também recebemos uma pintura. Esta pintura facial serve como proteção energética para todos nós.

Em casa - resultados

As duas primeiras semanas de dieta na Mata Atlântica acabaram. Agora estou de volta em casa. Aqui é necessário fazer a dieta sozinha por mais duas semanas. Estou decidida a não ceder e seguir a dieta até o fim.

            Todos os dias preparo cuidadosamente a minha caiçuma e as minhas refeições. Quase nenhum sentimento de renúncia surge, nenhuma saudade de doces me atormenta. Percebo cada vez mais como essa mudança radical na dieta está me saindo bem. Eu aproveito o sabor dos diferentes alimentos em sua forma natural, sem adição de açúcar ou sal.     

            O fim da dieta foi alcançado. Estou feliz de ter seguido essa dieta por quatro semanas. Em relação aos meus objetivos, posso dizer que ganhei mais confiança. Sinto-me energeticamente limpo mental e fisicamente, tudo parece mais equilibrado. Além disso percebo que meu cabelo e minha pele melhoraram e perdi peso. Para o futuro, decido continuar com esta dieta, pois me fico alegre em fazer algo de bom para mim e para o meu corpo.

            Algum tempo depois: Já faz vários meses que mudei completamente minha dieta. O antigo conhecimento indígena tradicional pode competir facilmente com a ciência nutricional moderna. Para os xamãs dos povos indígenas, as dietas especiais são um meio de educação, porque seus corpos precisam ser constantemente moldados e transformados. Essa transformação ocorre para eles por meio de dietas. Eu também não quero ficar sem isso.

[1] Belo Horizonte é a capital do estado de Minas Gerais, no sudeste do Brasil.

 

[2] Os Yawanawá são um povo indígena que vive na região indígena do Rio Gregório, no município de Tarauacá, no oeste do estado do Acre, Brasil. Existem cerca de 450 pessoas nesta tribo indígena. O nome "Yawanawá" significa "Povo do Queixada". O símbolo do queixada (yawa) confirma a coesão do grupo e a relação estável com sua área, que hoje é o território indígena. Os Yawanawá mantêm relacionamentos contínuos com os brancos há cerca de um século. Informações mais detalhadas sobre o povo Yawanawá podem ser encontradas nos seguintes links (em português): https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Yawana

https://pt.wikipedia.org/wiki/Iauanauás

 

[3] Cada tipo de dieta traz uma energia diferente e cada dieta também estabelece um tempo de realização.

 

[4] Caiçuma é uma bebida fermentada consumida pelos indígenas em ocasiões especiais. O "mame", ou caiçuma de milho ou mandioca, é também usada como única bebida permitida durante a dieta de iniciação dos pajés Yawanawa. É importante diferenciar a ‘caiçuma de dieta’ da ‘caiçuma das festas’, pois a primeira deve ser fervida a cada dois ou três dias, no máximo, para evitar sua excessiva fermentação, enquanto a segunda é apreciada mais fermentada. 

 

[5] “A Mata Atlântica é um dos cinco 'hotspots' de maior biodiversidade do planeta e a maior reserva da biosfera designada pela UNESCO, representando uma das regiões prioritárias para conservação no mundo. Séculos atrás, a floresta se estendia por mais de 130 milhões de hectares ao longo costa leste brasileira, incluindo partes do norte da Argentina e leste do Paraguai. Hoje, no Brasil, apenas 7% da Mata Atlântica está em bom estado, distribuída em fragmentos isolados com mais de 1.000 hectares cada. Os últimos remanescentes dessa exuberante floresta abrigam uma riqueza de diversidade biológica comparável à famosa Amazônia." (...) Veja: https://www.pactomataatlantica.org.br/the-atlantic-forest

 

[6] Os rituais tradicionais mais importantes dos Yawanawá são realizados com os fitoterápicos "uni" (ayahuasca) e "rume" (rapé). São cerimônias de purificação espiritual e trazem cura e revitalização energética. "Rume" (rapé) consiste em tabaco Mapacho seco e finamente moído, bem como em partes ou cinzas de várias plantas medicinais ou árvores sagradas, como a "árvore Tshunu", e com o auxílio de um cachimbo (Tepi) é soprado no nariz. A "uni" (ayahuasca) é uma bebida sacramental produzida pela fervura conjunta das seguintes duas plantas nativas da floresta amazônica: a variedade de uva chamada "Banisteriopsis caapi" e as folhas do cafeeiro chamadas "Psychotira viridis" (Chacrona).