Com o povo Huni Kuin [1] na floresta amazônica brasileira

 

 

Localizados no extremo noroeste do Brasil e no meio da floresta amazônica vivem os povos indígenas Huni Kuin. Há muito, que desejo aprender mais sobre a cultura dos povos indígenas do país. Agora é a hora, e eu embarco em uma viagem aventureira à selva para visita-los.

 

Estava chovendo e eu calcei minhas botas de borracha. É a minha primeira manhã na aldeia. Eu acompanho os homens e meninos ao trabalho deles na floresta. “Estamos no processo de extrair material da floresta para os telhados das malocas [2] que estamos construindo atualmente”, diz Teríano. Teriáno é um dos homens que moram com sua família na aldeia. Estou começando a suar. Felizmente, tenho minha garrafa de água comigo.

A terra amoleceu devido à chuva. É muito escorregadio e você deve ter cuidado para não cair. Estou olhando os galhos dos arbustos e plantas. Tomo o cuidado de não entrar em uma das muitas teias de aranha que se alinham na beira do caminho. "Cuidado!", um dos homens grita de repente: "Cuidado com essas formigas". Olho para um galho e vejo uma formiga negra gigante marchando por ele. Eu nunca vi uma formiga tão grande. "Cuidado para não tocar acidentalmente nessas formigas. Se elas se sentirem ameaçados e picam, você sentirá muita dor”, alerta ele. Grata por essas informações, pretendo mantê-las em mente pelo resto da minha estadia.

Teríano me mostra como eles cortam palmeiras e preparam suas folhas para construir malocas e para o artesanato das mulheres. "Chamamos esse tipo de palmeira de 'Urikuri'", ele explica. Os homens têm um grande conhecimento das plantas e árvores da floresta. "A floresta é a nossa farmácia", diz Leonardo. Ele é curandeiro e veio para a floresta conosco. Ele me mostra plantas que devem ajudar contra qualquer sofrimento, por exemplo, em caso de queimaduras ou problemas na gravidez. Leonardo pega uma folha de um arbusto e a entrega para mim. "Pegue aqui e sinta o cheiro", diz ele. "O cheiro e o suco desta folha ajudam contra o sentimento de ciúmes", revela Leonardo.

Os passaros estão cantando. Se você olhar para as copas das árvores, é possível vê-los pousados lá. Mas, caso contrário, é difícil ver animais maiores. "Eles ficam longe de nós humanos. Para vê-los, teríamos que ir muito mais fundo na selva e isso é perigoso”, explica Leonardo. Pequenos insetos e mosquitos zumbem ao nosso redor. São especialmente os mosquitos muito pequenos e quase invisíveis que são muito persistentes. Eles rapidamente deixam muitas pequenas manchas vermelhas no corpo. O repelente que eu trouxe comigo não ajuda muito. Em algum momento eu me rendo e deixo para lá. Pouco antes de escurecer, voltamos à aldeia.

 

A chegada

O barco viaja pelo rio sinuoso em alta velocidade ao longo da densa floresta tropical. Os sons intensos da floresta se misturam com o vento que sopra vigorosamente no meu rosto. Estou no barco com Sia e suas filhas. Sia é o cacique [3] da aldeia indígena onde ficarei por três semanas. O filho de Sia, estimo que ele tenha cerca de doze anos, navega no barco e tem que ter o cuidado para não encalhar. O rio tem menos água em alguns lugares. De repente, o barco para. Na verdade, encalhámos. Felizmente, nenhum de nós caiu na água. Todos saímos para libertar o barco novamente. A jornada continua. O vento úmido e quente sopra na minha cara.

Estou cansada da longa jornada e espero chegar. Foi um longo caminho para chegar aqui. Primero viajei para Rio Branco [4], no Acre [5]. De lá, seguiu de táxi aéreo, até Jordão [6]. Jordão é um município no meio da floresta tropical brasileira. Não há estradas nesta região. Agora há apenas duas horas de barco à minha frente e o destino é alcançado.

 

Presente de boas vindas

Finalmente chegei à aldeia. Imediatamente sou iniciada no ritual de pintura corporal. Uma moradora me leva gentilmente pela mão. "Venha comigo, tenho um presente de boas vindas para você." O nome dela é Rosane. Rosane me pinta com uma cor preta no rosto e nos braços. "Qual é essa cor?", Pergunto interessada. "Essa cor é obtida de uma fruta chamada 'jenipapo' que cresce aqui na floresta tropical. A pintura serve como proteção energética para você”, ela me explica. A cor ficará na minha pele por sete dias. Consiste em desenhos que o povo Huni Kuin recebe durante seus rituais espirituais. Até bebês muito pequenos passam por esse ritual de pintura corporal. Depois, Rosane me dá um par de brincos e uma pulseira - joias de seu artesanato típico feito de Miçanga [7].

 

Minha nova casa

A casa que será minha nova casa pelas próximas três semanas fica a cerca de cinco minutos do centro da aldeia. Para alcancar isso, eu e a esposa de Sia, Bunke, subimos uma colina por entre arbustos grossos. A casa é simples, construída em madeira e fica sobre palafitas de madeira. "Aqui você encontrará um pouco de descanso do ritmo agitado da aldeia", diz Bunke e abre a porta. A casa tem três quartos. Montamos meu local de dormir, que consiste em um colchão simples. Eu monto meu mosquiteiro. "Você trouxe uma lanterna com você?", Bunke me pergunta. Ela me diz que a casa não tem eletricidade.

A primeira noite

Mais tarde naquela noite, volto para minha casa na colina. Já está escuro. Minha lanterna ilumina meu caminho através da vegetação rasteira e espero que sua bateria não falhe repentinamente. O caminho está molhado. Você deve ter cuidado para não perder as sandálias na lama ou escorregar. A floresta zumbe alto e os sapos nos pântanos cantam. 

Quando alcanço a casa, entro e olho em volta no feixe de luz da minha lanterna. Grande susto! Duas aranhas enormes. Elas são do tamanho de uma mão. Decidi deixá-las em paz e espero que não sejam agressivas. A casa está repleta de outros animais rastejantes e insectos que são atraídos pela luz da minha lanterna. As baratas arrastam-se pelas fendas do chão e paredes de madeira. Alguns são enormes. Sinto-me um pouco desconfortável. Enquanto tento adormecer, de vez em quando ilumino o meu lugar de dormir para me certificar de que as aranhas ainda estão no seu lugar ou que não há nenhum animal perto da minha cabeça.

De repente durante a noite acordo do meu sono. Foi um pesadelo. Vejo que as aranhas ainda estão no seu lugar. Depois saio para o ar fresco. Está enevoado e húmido. Tudo é escuro. 

Na manhã seguinte, ao café da manha, falo à Sia sobre as grandes aranhas. "Elas são venenosas", ele me avisa. "Não tente alcançá-las. Deixe-as em paz. Então não te farão mal."

Vida cotidiana na aldeia

A vida cotidiana na aldeia é caracterizada por uma vida simples. Não há chuveiros nem banheiros como conhecemos. Para fazer as suas necessidades, existem banheiros secos ou o chão da floresta. No começo, essa situação me incomodava, mas com o tempo essa vergonha desaparece. É bastante normal na aldeia. Para tomar banho, eles vão pro rio. Lá eles se lavam e lavam suas roupas. Eu também faço disso um ritual diário. A água é um pouco argilosa da lama do fundo do rio, mas ainda me sinto refrescada depois.

A aldeia consiste em casas simples de madeira. Seus telhados são feitos de palha densa da palma Urikuri ou ocasionalmente feitos de alumínio. Recentemente a aldeia recebeu energia solar. A partir das 18h, depois que o sol se pôs, o centro da aldeia agora tem eletricidade e luz por algumas horas. Cinco famílias vivem na aldeia o tempo todo. Sia como cacique vive com sua família no centro da aldeia. Aqui tem um lugar para todos os tipos de reuniões, uma escola, a cozinha e um prédio que serve como cantina. As casas das outras famílias estão espalhadas um pouco mais pela aldeia.

Há muito trabalho. Grandes chaleiras fumegantes de alumínio chiam sobre poços de fogo abertos. As mulheres preparam ansiosamente as refeições diárias, que consistem em muita carne e peixe fresco. Para mim, como vegetariana, há arroz, feijão, ovos, milho, mandioca e banana. É delicioso. Os moradores bebem as águas subterrâneas das fontes da terra. Seus estômagos estão acostumados a isso. Para prevenir doenças, trouxe água mineral de Jordão comigo. Não temos acesso à internet na aldeia. No entanto, eu me acostumei à vida offline surpreendentemente rapidamente.

Durante o dia, geralmente o barulho das motosserras soa. Muito trabalho está sendo feito para preparar e construir a aldeia para futuros visitantes. Famílias de aldeias indígenas vizinhas estão visitando ajudando. O trabalho está claramente dividido por gênero. As mulheres cozinham, carregam água em grandes caldeirões na cabeça dos poços de terra para a aldeia, limpam as casas, lavam a roupa e cuidam das crianças. Algumas das adolescentes já têm bebês pequenos. A produção do artesanato tradicional de seu povo também faz parte da missão de mulheres e meninas. Passo muito tempo com elas e observo como elas enfiam as pequenas bolas redondas de Miçanga, assim, criam pulseiras, colares e brincos coloridos com desenhos sagrados. Outros tecem cestos e esteiras das folhas da palmeira Urikuri ou tecem sacos, blusas e jaquetas de lã. Além de seu próprio uso, eles também vendem esse artesanato em Jordão e para turistas. Os homens, por outro lado, cuidam da construção de casas e da compra de comida. Eles vão pescar, caçar ou fazem compras no município de Jordão. Eles também são os líderes políticos e espirituais da comunidade.

Eu adoro ir para a floresta. A uma curta distância da aldeia, há um pequeno local coberto e aberto no meio da floresta, cercado por plantas sagradas para o povo. Aqui você pode se retirar e ficar sozinho com a natureza.

 

Inflamação do meu pé

Após 8 dias na aldeia e uma noite inquieta, acordo e noto que meu corpo está coberto de pequenas espinhas vermelhas e com coceira. Elas podem ser encontrados nos meus pés e pernas, bem como nos meus braços e região lombar e estão sangrando um pouco. É difícil afastar os pequenos mosquitos que são atraídos. O desespero surge em mim. Suspeito que sou alérgica a uma planta que cresce aqui na aldeia.

Sia olha para as espinhas e nós vamos para a floresta para coletar remédios para minha pele. Atravessamos o bosque quente e úmido por caminhos estreitos. O pajé e sua esposa, que vieram conosco, colhem folhas dos arbustos e das árvores. A esposa do pajé esmaga as folhas nas mãos e esfrega o suco nas minhas pernas, pés, braços e costas. "Este é um remédio para coceira", diz ela. "Vai acalmar sua pele um pouco."

Subitamente Sia desaparece e volta pouco tempo depois com uma fruta alongada. "Aqui, experimente esta fruta". Ele abre e me oferece sua carne branca e macia. Eu aceito. Tem um gosto bom, muito doce. "O nome da fruta é Ingá", diz Sia. "Como meu nome", eu respondo. Nós dois rimos.

No dia seguinte, minha pele realmente se acalmou um pouco. Mas meu medo de inflamação permanece e eu não quero correr nenhum risco. Pegamos o barco e dirigimos para o pequeno hospital em Jordão. A equipe do hospital limpa as áreas e injeta um antibiótico no músculo. "Este é o melhor antibiótico que temos. Ele ficará no seu corpo por três semanas”, diz a enfermeira. Ela me pergunta se eu moro em uma das aldeias indígenas do rio. Eu digo que sim e ela me diz que as pessoas que vêm morar aqui na floresta tropical geralmente precisam sair prematuramente devido a doenças. A vida na floresta não é fácil. Os mosquitos, o clima, as possíveis alergias, a falta de água potável tornam um desafio diário. Feliz por não precisar mais me preocupar, agradeço o tratamento rápido e bom.

 

Uma noite com música

Sentamos juntos em um pequeno grupo de homens, mulheres e crianças. Dois jovens tocam violão e tocam bateria. O resto de nós está cantando. As crianças presentes brincam ao nosso redor. É um ritual diário na aldeia e uma oportunidade para o povo Huni Kuin cantar suas canções de cura e expressar sua espiritualidade. Eu gosto de sentar nesta rodada. Quando tiro minha câmera para capturar esse momento, as crianças me cercam rapidamente. Eles curiosamente tiram minha câmera da minha mão e querem ver todas as minhas fotos. Estou muito emocionada com essa curiosidade e apego naturais. Eu amo especialmente um garotinho. O nome dele é Tsaná. Ele está quieto e parece muito sensível. Ele me diz que tem dez anos. Ele está próximo de mim e  senta-se ao meu lado. Eu o seguro em meus braços. Ele pega a minha mão e a segura como se não quisesse me deixar ir. Sinto sua pura e real afeição infantil e lágrimas vêm aos meus olhos. Este é um dos momentos bonitos e mágicos aqui na aldeia. 

Samaúma [8] - a rainha da floresta

A árvore de Samaúma fica a cerca de 15 minutos a pé da aldeia, um pouco mais fundo na floresta tropical. Inbuse, um irmão de Sia, me mostra o caminho. No caminho, fazemos uma pequena pausa. Inbuse me oferece um pouco do rapé [9] dele. Os moradores usam esse remédio sagrado todos os dias, que consiste no tabaco moído da planta do tabaco e nas cinzas de uma árvore sagrada. Como resultado, eles se conectam ainda mais estreitamente com a natureza. Juntos tomamos o remédio. Me sinto bem e relaxado.

Continuamos até a árvore de Samaúma. Ao entrar na floresta mais densa, noto novamente como o clima está mudando. Então Inbuse pára de repente. "Veja, há o Samaúma", diz ele, apontando para a frente. Para o povo Huni Kuin, o Samaúma é a "Rainha da Floresta". Olho através do mato e vejo seu poderoso tronco. Quando a alcançamos, levo algum tempo para deixar o momento trabalhar em mim. Eu olho para a majestosa árvore. São necessárias pelo menos trinta pessoas para abraçar completamente esse tronco de árvore. As grossas raízes tubulares de seu tronco forte escavam veementemente o solo por vários metros. Algumas de suas raízes também serpenteiam ao redor do tronco e as protegem adicionalmente. Então eu olho para a coroa dela. Não sei quantos metros. Definitivamente, existem cerca de 50 ou 60. Seu tronco largo aponta para o ar e, no meio da mata, a verde dela projetam para o céu. Inbuse aponta para um suporte que pendura do tronco como uma corda. "Neste suporte você pode subir até a copa. Nós os chamamos de Escada dos Espíritos"", explica. “Lá em cima, em sua copa, estão todos os espíritos da floresta juntos, plantas, animais e seres humanos. Se você subir lá em cima, sentirá.” Aprendo com Inbuse o quão sagrado o Samaúma é para o seu povo. Para eles, é uma conexão entre o céu e a terra e um espírito de cura.

Que beleza, elegância e energia poderosa essa árvore irradia. Um sentimento feliz e triste se espalha dentro de mim. Imagens da destruição imparável desta floresta tropical me vêm à mente. Todos os dias, sim, a cada minuto, as árvores são derrubadas na floresta tropical e morrem. Árvores como esta árvore de Samaúma, que extraem água das profundezas do solo e, portanto, não apenas se abastecem, mas também todo o reino vegetal circundante. Uma árvore que tem 500 ou talvez 1000 anos e traz coisas boas para o planeta e a humanidade.

 

„Festival de Legumes“ 

A aldeia inteira está vestida com suas roupas típicas e sua pintura corporal típica. Sia usa um cocar feito de longas penas brancas da harpia e vermelhas dos papagaios da arara. Além disso, os homens amarraram as folhas da palmeira Urikuri ao redor de suas partes superiores do corpo e da testa e estão segurando os arbustos nas mãos. Eles formam uma fila e seguram seus ombros. A fila é liderada pelos pajés. Eles começam a cantar e dançar na praça central da aldeia. Mulheres e crianças também estão esperando aqui. Os homens alcançam a praça central da aldeia e formam um grande grupo com as mulheres e as crianças. Eles dão as mãos e dançam em círculo cantando. Pergunto a Inbuse sobre o que é esse ritual. Ele me explica que esse festival se chama "Festival de Legumes". “Realizamos esse ritual sagrado para apoiar o cultivo e a colheita dos vegetais que precisamos na aldeia para alimentar, como milho, inhame ou mandioca.” Os rapazes então se sentam, e cantam enquanto as jovens mulheres dançam em círculo. Olho o ritual com curiosidade e admiro o quão orgulhosamente eles mostram sua cultura.

Sento-me com Inbuse para aprender um pouco mais sobre a cultura deles. Ele está feliz e começa a contar: “500 anos atrás, antes de nosso primeiro contato com os europeus, toda a comunidade da aldeia dormia no chão em uma maloca. Vivíamos mais perto da natureza do que hoje. Após nosso contato com os brancos, começamos a vestir suas roupas e a usar panelas e frigideiras para cozinhar. Nós também mudamos nossa dieta. Agora vamos menos à floresta para caçar, mas compramos nossa comida com mais frequência em Jordão. No entanto, tentamos manter nossa proximidade com a natureza o máximo possível, porque a natureza nos apresenta nosso Deus.” “Mas vocês conseguiu preservar grande parte de sua cultura ... ”, respondo. "Sim, estamos muito felizes com isso", confirma Inbuse. “Ainda falamos nossa língua, mesmo que ela tenha se misturado um pouco com o português. Agora é nosso desejo fortalecer ainda mais nossa cultura para as próximas gerações e, assim, também proteger a floresta e a natureza."

De repente, começa a soprar fortemente. Nós olhamos para o céu. Uma tempestade se formou. Chuva forte. Estamos procurando proteção em uma das malocas. A chuva aqui na floresta já é forte, mas a chuva atual ainda é muito mais forte. O céu está preto e há trovões e relâmpagos. Além disso, tornou-se repentinamente frio. A chuva está batendo no telhado da maloca como se fosse uma metralhadora. O vento violento que a acompanha sopra a chuva, e nos sentamos mais no meio da casa para não nos molharmos. As rajadas de vento chicoteiam da esquerda para a direita. A aldeia inteira agora procurou refúgio, e os cães estão agachados em segurança. Os telhados de palha 

das malocas recém-construídos caem no chão. Mais tarde, depois que o tempo se acalmou, os aldeões me disseram que em toda a sua vida aqui na floresta amazônica eles nunca viram chuvas tão fortes como hoje. 

 

"Hãpaya, o Ritual de Batismo"

Recebo uma pintura de rosto com a cor vermelha da fruta "urukum", que também cresce aqui na floresta. "Esta é uma preparação para um ritual que será realizado com você hoje. É um 'ritual de batismo'. Na nossa língua, é chamado 'Hãpaya' e é muito sagrado em nossa cultura”, explica Sia. Ele também explica que esse ritual será realizado na árvore de Samaúma e que terei de seguir uma dieta especial por três dias que proíbe sal, açúcar, carne e peixe. Um pouco mais tarde partimos em um pequeno grupo na floresta para a árvore de Samaúma. Estamos todos preparados para o ritual. Sia usa seu cocar de penas da harpia e de das araras e as mulheres e crianças usam testeiras coloridas com os desenhos típicos de seu povo. Também amarrei uma testeira na minha testa.

Ao chegar a Samaúma, Sia tira pimenta vermelha, que ele coletou anteriormente na floresta. Aprendo que a pimenta vermelha é um remédio muito sagrado para o povo Huni Kuin. Sia coloca a pimenta vermelha no chão. Com uma mão, ele começa a moer a pimenta com um pau de madeira e faz uma oração em seu idioma. Por outro lado, ele segura um pássaro morto Japinim. Sia me diz que este pássaro imita o canto de todos os outros pássaros e é muito sagrado para o seu povo. Então ele me pede para sentar. Ele coloca uma tigela pequena na frente dos meus pés e me diz o significado do ritual. "Na lenda dos Huni Kuin, esse ritual significa iniciação. O iniciado que passa por esse ritual recebe uma iniciação e, assim, é capaz de se tornar um curador. Ele deve aprender a cantar através do espírito da pimenta sagrada e do pássaro sagrado Japinim e receber canções sagradas de cura em suas visões."

Estou ansiosa. Tenho que abrir a boca e esticar a língua. Sia molha o bico do pássaro sagrado com a pimenta vermelha fresca e começa a esfregá-lo na ponta da minha língua. A pequena tigela na minha frente serve para pegar minha saliva escorrendo. Sia esfrega a pimenta na minha língua por alguns minutos, fazendo uma oração em seu idioma. "Agora a energia do remédio da pimenta tem que agir em sua língua por 40 minutos", diz ele depois de terminar.

Sento-me em uma raiz do Samaúma. Saliva escorre da minha boca. A pimenta queima na minha língua, mas é suportável. Eu tento não engolir ou cuspir saliva durante esse período. Eu realmente quero passar pelo ritual. Quando os 40 minutos terminam, cuspo a saliva que se acumulou na boca e assoo o nariz. A energia da pimenta é muito forte.

Depois que o ritual terminou oficialmente, deixamos a floresta. Vou até minha casa. Está excepcionalmente quente hoje, definitivamente acima de 30 graus. Apenas algumas nuvens estão no céu. O sol está brilhando incansavelmente na aldeia. Na casa deito no meu colchão. Aqui estou sozinha e posso deixar minhas emoções correrem soltas. O efeito energético do ritual é muito intenso. De repente, sinto uma forte vontade de cantar. Melodias diferentes passam pela minha cabeça e eu começo a cantar. Como em um delírio eu tenho que rir e chorar ao mesmo tempo.

Então, de repente, sinto muito calor. Meu corpo inteiro parece aquecido. Meu pulso está acelerando. Olho no espelho do bolso e vejo que estou vermelha. Deito-me e espero que o sol se ponha logo e ficará mais frio. Talvez seja uma reação ao antibiótico que foi injetado dois dias antes. Quando o sol se põe, eu desço para a aldeia. Um morador vê que eu não estou bem e me esfrega com água fria. Agora estou começando a me sentir melhor novamente. Vou até Sia e pergunto se o calor é uma reação normal ao ritual. Ele responde que é uma reação muito forte, e que o poder do ritual é mais forte no primeiro dia. No total, durará três dias.

A despedida

O ritual do batismo e os três dias da dieta terminaram. Eu me sinto purificado e fortalecido internamente. Para o futuro, decidi cantar mais e aprender a tocar violão.

As três semanas da minha estadia com o povo Huni Kuin também terminaram. Eu me despeço de todos na aldeia. Dani, uma jovem moradora, me pergunta se eu gostaria de trocar algumas roupas por jóias feitas à mão. Trago para ela minhas botas de borracha e algumas camisetas e ela me dá uma de suas pulseiras artesanais. Ela me diz que está grávida de seis meses do terceiro filho e deseja uma menina. Quando perguntei quantos anos ela tem, ela respondeu que tem vinte anos.

Tsaná está brincando com dois meninos. Ele me vê com minhas malas chegando e sabe que quero me despedir. Ele se afasta de mim e vejo lágrimas jorrando em seus olhos. Eu o pego em meus braços. Também estou muito triste com essa despedida. No barco, espero a partida com Sia, Bunke e Inbuse. Eles vão me acompanhar até Jordão. Tsaná está na encosta da praia, procurando por mim. Eu aceno para ele. Então partimos. Tsaná corre ao longo da margem até não podermos mais nos ver. Aceno para ele uma última vez antes de finalmente nos perdermos de vista.

 

Fico feliz por ter vivido com o povo Huni Kuin por três semanas, apesar de todas as dificuldades. As pessoas maravilhosas e os momentos mágicos permanecerão na minha memória e no meu coração.

[1] O povo Huni Kuin é um dos povos indígenas mais presentes no Brasil. Eles moram na fronteira com o Peru, nas regiões mais baixas do rio Jordão, no Acre, Brasil. O termo "Huni Kuin" (Kaxinawá) significa algo como "homens verdadeiros" ou "gente com costumes conhecidos". Informações mais detalhadas sobre o povo Huni Kuin podem ser encontradas no seguinte link: https://pib.socioambiental.org/pt/Povo:Huni_Kuin_(Kaxinawá)

[2] Maloca é o nome pelo qual é chamada a casa tradicional dos povos indígenas.

[3] O líder político de uma comunidade indígena é chamado de cacique.

[4] Rio Branco: Capital do estado brasileiro do Acre. A distância em linha reta até o Rio de Janeiro é de 2.987 km.

[5] Acre: Um estado no extremo noroeste do Brasil. A vegetação Acres é quase exclusivamente formada pela floresta amazônica e sua população é composta por povos indígenas e colonos do nordeste e sul do Brasil. Ver: https://www.estadosecapitaisdobrasil.com/estado/acre/

[6] Jordão: Uma pequena comunidade no Estado do Acre, no Brasil, que é cortada pelos rios Jordão e Tarauacá. Mais de dois mil povos indígenas do grupo étnico Huni-Kuin vivem aqui. O município, localizado diretamente na floresta amazônica, tem um total de 7.000 habitantes e fica a cerca de 640 quilômetros quando o corvo voa da capital regional, Rio Branco. Sem acesso terrestre, Jordão pode ser alcançado em uma viagem de barco de 3 dias ou em um voo de 2,5 horas de táxi aéreo. Ver: https://www.agencia.ac.gov.br/jordo-uma-pequena-cidade-amaznica/

[7] Miçanga: Pequenos pedaços de vidro, pedra ou material similar arredondados e perfurados para que possam ser rosqueados com outros.

[8] A árvore Samaúma é nativa do México, América Central, Caribe, norte da América do Sul e África Ocidental. A palavra samaúma é usada para descrever as fibras de algodão obtidas a partir de seus frutos. Essa árvore pode extrair água das profundezas do solo e não apenas se abastecer, mas também compartilhá-la com outras espécies, pois suas raízes conhecidas como Sapopemba estouram em determinadas épocas do ano e irrigam todo o reino vegetal circundante. É, portanto, também chamada de "árvore da vida". Veja: https://www.iguiecologia.com/samauma/https://pt.wikipedia.org/wiki/Mafumeira

[9] O rapé consiste em tabaco Mapacho seco e finamente moído, além de partes ou cinzas de várias plantas medicinais ou árvores sagradas, como o "Mulateiro". É soprado no nariz com a ajuda de um tubo (tepi). O objetivo é experimentar uma limpeza física e energética.

fullsizeoutput_899_edited.jpg